É possível prevenir Doença de Alzheimer? Hoje apresentamos o terceiro e último texto da série especial sobre a Doença de Alzheimer. O que os estudos apontam sobre como a doença pode ser prevenida

Nos últimos anos houve um aumento do número de estudos que buscam uma cura da Doença de Alzheimer. Baseando-se na hipótese de que o acúmulo de beta-amiloide seja o primeiro evento na progressão da doença, várias tentativas foram feitas de freá-la através de drogas que impedem a formação desses depósitos. Infelizmente, seus resultados foram sucessivamente frustrantes – embora tenha sido possível eliminar as placas, a doença clínica não se reverteu.

A primeira explicação para esse fracasso é que tais tentativas foram feitas tarde demais na evolução da doença, pois a deposição de amiloide começa muito tempo (cerca de 10-15 anos) antes dos primeiros sintomas. A solução seria, então, identificar os pacientes que vão desenvolver a doença bem antes da manifestação clínica. Entretanto, isso se provou um desafio, pois uma pessoa pode ter depósitos de amiloide e não desenvolver a doença. Com isso, tem crescido a percepção de que muitos outros fatores interagem com o amiloide para determinar quem vai desenvolver a Doença Alzheimer ou não.

Sabemos que vários fatores podem aumentar a chance de uma pessoa ter Alzheimer. Entre estes estão marcadores genéticos (como o alelo E4 do gene da lipoproteína E), mas também condições tratáveis como diabetes, obesidade, tabagismo, depressão, hipertensão e transtorno do sono, além de baixo nível educacional. A maneira como isso ocorre, ainda não sabemos, mas provavelmente envolve múltiplas vias biológicas.

O próprio risco elevado no envelhecimento é explicado porque as alterações neuronais que ocorrem com a idade tornam o cérebro mais vulnerável à deposição de amiloide e Tau.

Então, embora os resultados dos estudos com drogas que eliminam o amiloide possam ser vistos inicialmente como negativos, eles estimularam o surgimento de estudos que testam outras hipóteses. Além disso, eles trouxeram o foco de volta para a prevenção da doença de Alzheimer através do controle de fatores de risco associados.

Como prevenir a Doença de Alzheimer

Um estudo publicado em 2017 (Livingston e colaboradores, The Lancet) calculou o risco individual dos nove principais fatores de risco modificáveis de demência. São eles:

Se controlarmos esses fatores, poderemos reduzir nosso risco de demência em até 35%.

É provavelmente essa a razão por que a prevalência de demência em pessoas idosas vem diminuindo em países como o Reino Unido, onde as pessoas têm adotado um estilo de vida mais saudável.

Como o risco de condições crônicas, como diabetes e hipertensão, pode ser reduzido com atividade física regular e dieta saudável, esses são fundamentais na prevenção de demência.

Uma dieta considerada saudável é a dieta mediterrânea, que se baseia no consumo de peixe, cereais integrais, frutas, verduras e azeite de oliva.

A importância da interação social e de atividades intelectuais também tem sido exaltada.

Em resumo, se você quer diminuir seu risco de Doença de Alzheimer, coma saudavelmente, faça atividade física e aprenda coisas novas!

______________________________________________________________________

Confira as outras publicações:

Doença de Alzheimer

Quando um esquecimento deve preocupar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *