Uma ruptura do ânulo fibroso grande o suficiente para que o núcleo pulposo do disco vertebral “vaze” através da parede de seu invólucro natural, causa a chamada “hérnia de disco”, que ocupa um espaço que não é seu, apertando nervo, medula, ligamentos e outras estruturas próximas a ela.

Os “conflitos” locais causados pela hérnia de disco lombar nem sempre dão sintomas, e nem sempre as dores na região lombar tem relação com uma hérnia de disco que esteja presente na mesma. Portanto, nem toda hérnia de disco vai demandar tratamento específico para a mesma.

A chave para o tratamento adequado da hérnia de disco passa pelo diagnóstico e portanto pela avaliação do seu neurocirurgião. É necessário a realização do exame neurológico para avaliar se existe correlação dos sintomas clínicos com as alterações dos exames de imagem

A história natural de uma hérnia de disco lombar normalmente começa com uma dor lombar, e que repentinamente assume uma irradiação para uma perna até o pé do mesmo lado, comumente com melhora da dor na região lombar. Pode estar relacionada a um esforço físico súbito, um trauma local, queda, atividade desportiva…

Os tratamentos

Quando se determina que a dor percebida tem relação com uma hérnia de disco lombar, o primeiro passo é o tratamento conservador, que envolve o uso de medicações associadas a reabilitação para alongar e fortalecer a musculatura estabilizadora da coluna, e assim, reduzir a pressão sobre o disco intervertebral.

Quando a medicação oral ou venosa e as terapias de reabilitação falham em controlar a dor, outros tratamentos adjuvantes podem ser feito, o tratamento minimamente invasivo ou cirúrgico tradicional têm destaque. Dependendo dos sintomas e de qual é a principal limitação, injeções de medicação na raiz apertada e áreas correlatas podem ser o suficiente para o alívio de sintomas e retomada da reabilitação.

A avaliação feita pelo neurocirurgião vai pesar o que o paciente sente quando chega ao consultório, suas limitações e as respostas aos tratamentos já feitos. Quando a dor não melhora, vem em muitas crises, está associada a fraqueza de uma parte da perna ou pé, existe dificuldade para urinar ou defecar,  a necessidade de uma abordagem cirúrgica é provável.

Dor na região lombar

Cirurgias

A cirurgia clássica de remoção da hérnia lombar normalmente passa por um corte na pele entre aproximadamente 7 a 12 centímetros, o descolamento destes músculos das estruturas ósseas que protegem a coluna, o afastamento destes “nervos”, a identificação da hérnia e a remoção da mesma. Tudo isto com a utilização de um microscópio cirúrgico, para aumentar a visão e melhorar a distinção de todos os tipos de tecidos que ali de localizam. Necessita obrigatoriamente de anestesia geral, costuma ter permanência no hospital de um a três dias. O paciente costuma poder andar  após a recuperação da anestesia.

As cirurgias minimamente invasivas buscam os mesmos objetivos da cirurgia clássica, com menor remoção e retração da musculatura da coluna. Estes procedimentos vão desde a remoção de partes do disco por pequenos canos que são introduzidos pela pele, guiados por raio x, desde a utilização de microcâmera chamado de neuroendoscópios.

Nesta última, costuma-se fazer uma incisão de aproximadamente 1 centímetro, e são utilizados tubos, por onde se passa uma câmera de vídeo de alta definição,  afastando-se os tecidos que estão no caminho e com visualização da hérnia e dos tecidos ao seu redor. Pode-se remover a hérnia tanto entre as lâminas que protegem os tecidos nervosos (via interlaminar), quanto pelos espaços de saída nos nervos na coluna vertebral (via transforaminal). Para este procedimento, pode ser usada ou não anestesia geral, a internação pode durar de 6 horas a um dia, o paciente também começa a andar após se recuperar da anestesia, e pode ter redução da dor na região lombar maior do que na cirurgia comum, pois se abre menos tecidos para o mesmo objetivo.

Em algumas situações, quando a presença da hérnia de disco está também associada a um segmento da coluna vertebral que tem movimentação maior do que o natural e que pode causar mais dor e outros problemas (a chamada instabilidade), pode ser necessária a fixação da mesma, com a “artrodese lombar”, que consiste em prender os corpos das vertebras com parafusos e hastes de titanio, retirar o disco que fica entre corpos vertebrais e com eles a hérnia de disco,  e colocar ou não uma espécie de calço, chamado “cage” para ajudar no surgimento de osso entre os corpos vertebrais, que é o objetivo final do procedimento. Esta cirurgia também tem uma maneira clássica de fazer, com maior necessidade de manipulação de músculos e ossos, e minimamente invasiva, com menor abertura de pele e manipulação de músculos no local da cirurgia.

Fortalecimento da coluna

Todos os procedimentos citados não excluem a necessidade de fortalecer a coluna e uma boa reabilitação, tanto para recuperação de força e mobilidade, quanto para melhorar e reduzir os fatores que contribuem e contribuíram para o surgimento da hérnia de disco e das outras doenças da coluna lombar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *